Desde que o mundo é mundo as pessoas buscam por técnicas que estimulem os desejos do corpo e da mente. Não a toa, um dos livros mais lidos do mundo seja o Kama Sutra, escrito por volta do século III pelo indiano Mallanaga Vatsyayana, que entendia o sexo como uma ciência suprema, próxima da religião que conhecemos hoje.

Além do Kama Sutra, outras técnicas foram desenvolvidas ao longo dos anos. O sadomasoquismo é uma delas. Essa prática que junta sofrimento alheio e prazer foi muito difundida na Europa durante os séculos passados. Principalmente por Marquês de Sade, o grande entusiasta e que deu o nome para essa técnica.

Assim também é o shibari uma técnica oriental de amarração corporal que promete estimular pontos erógenos do corpo. Originária do Japão, a técnica se baseia nos movimentos do hojojutsu, a arte samurai de prender criminosos apenas com cordas, valendo-se de nós impossíveis de serem desfeitos sem conhecimento.

Apesar de ser conhecido como uma arte voltada para o erotismo, o shibari também possui outras vertentes que não são eróticas. Existem terapeutas que usam shibari para tratar traumas, relaxar o corpo e a alma, assim como o ioga e o reiki, que muitas vezes são usados em conjunto com o shibari em sessões de massagem.

Cordas para amarrar

O principal elemento do shibari são as cordas, que possuem de 6 a 8 metros de comprimento e servem para amarrar todas as partes do corpo da pessoa. Após amarrada, o ideal é que a pessoa fique imobilizada e não consiga fazer nenhum movimento. Normalmente, as cordas são feitas de fibra natural, porém, há cordas de algodão, bambu e muitos outros materiais. O importante é que a corda seja resistente o suficiente para prender a pessoa ao máximo.

Tesoura para emergência

Além disso, em toda sessão de shibari sempre há uma grande tesoura de emergência. Ela serve para cortar as cordas caso a pessoa acabe tendo algum problema de respiração ou que possa prejudicar a sua saúde. Como os nós levam um tempo até serem desfeitos, em caso de emergência é preciso cortar todas as cortinas e retirar a pessoa daquele estado de prisão.

Perda do controle

Muitos compreendem o shibari como um exercício de libertação, onde as pessoas amarradas precisam se entregar totalmente ao momento. Como não há formas de se livrar de nós, a não ser que uma pessoa livre os desfaça, quem está amarrado às cordas precisa aceitar o fato de estar preso. Indicado para pessoas que são muito controladoras e querem tratar esse problema, o shibari vem conquistando cada vez mais adeptos no Brasil e no mundo, além do oriente, principalmente em grandes cidades onde prática de bondage também conta com muitos adeptos.

No entanto, há poucos especialistas na arte no Brasil. Lembre-se de que se trata de uma técnica que pode ser perigosa quando aplicada sem a supervisão de um profissional qualificado. Busque sempre por uma pessoa com certificação e experiência no ramo, caso seja do seu interesse ser amarrado ou amarrado com as técnicas milenares do sibari.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui